Mnemoth

Seu anseio é minha respiração. Deixem-me romper os casulos de sua feroz necessidade… libertar a energia reprimida para que brote direto no meu coração enxameado.

(Jamie Delano – Hellblazer #2)

Nascidos da fome e sofrimento dos Nômades Azuis, os demônios conhecidos como Mnemoth eram conhecidos apenas na tradição de Al-Gober, sendo representados em inúmeros rituais. Porém, com a recente libertação de Al-Azif, eles passaram a se materializar das profundezas do Aether, trazendo mais destruição para uma terra já desolada. A presença desses seres pode ser identificada por uma incomum infestação de moscas, mariposas e inúmeros outros tipos de pragas comuns, que se apoderam mesmo dos lugares onde estes demônios estejam aprisionados. Já quando vislumbrados diretamente, eles podem assumir a forma tanto de um grande enxame como de uma repugnante criatura que combina características de vários insetos. Apesar do aspecto feroz, o principal poder de Mnemoth é causar em suas vítimas uma fome incontrolável, que vai exaurindo suas forças até transformá-las em uma carcaça esquelética.  Muitos destes hospedeiros do demônio passam seus últimos momentos devorando toda comida disponível ao seu redor, chegando ao extremo de sofrer surtos canibais. O desejo frustrado é a essência e alimento de Mnemoth, e pode se estender a outros tipos de necessidade, embora estas variações ainda sejam raras.

Crocodilo Javali

Este carnívoro com 6 metros de comprimento tinha um focinho couraçado, usado como aríete, e três conjuntos de dentes para dilacerar presas. As cavidades oculares ampliavam a visão e facilitavam a caça, e os músculos conferiam maior força á mandíbula.

(Paul Sereno – National Geographic Novembro 2009: Os Crocodilos do Saara)

Al-Gober é o lar de diferentes espécies de crocodilos, de inofensivos répteis que habitam as matas costeiras a colossos mortais que se ocultam nos oásis da Aridez Sombria. Dentre esses animais está o Crocodilo Javali, um dos poucos predadores adaptados ás grandes extensões de deserto, cujas presas mais comuns são antílopes e elefantes. Chamado assim pelo par de presas inferiores que lembram um porco selvagem, esse maciço crocodiliano possui um corpo ao mesmo tempo ágil e robusto, com pernas longas e uma couraça óssea revestindo o dorso. Os homens-lagarto de Al-Gober utilizam estas bestas como montarias de guerra, capazes de transportar grupos inteiros de arqueiros de uma vez. Khaldur oferece grandes quantias por estes crocodilos treinados, que são utilizados nos combates sangrentos da Grande Arena.

Espreitador da Salmoura

Só a morte procria na água estagnada.

(Magic the Gathering – Pântano Salgado)

Os mangues avermelhados da Baía das Ondas de Fogo constituem um lugar inóspito para a maioria das formas de vida. Porém, é um engano acreditar que apenas águas-vivas se ocultam sob as águas cor de ferrugem. Humanoides grotescos, os espreitadores da salmoura possuem pele rugosa e alaranjada, cabeça cônica e uma membrana sob os braços, que lembra uma arraia quando a criatura está de costas. Os olhos de peixe são cobertos por uma membrana amarela, e os dentes irrigados por uma saliva esverdeada. Os Espreitadores da Salmoura possuem uma cultura primitiva, não usando qualquer tipo de arma ou ferramenta e se abrigando em cavernas subaquáticas. Apesar de temerem grandes embarcações, eles podem se tornar perigosos quando saem para as praias á noite em busca de alimento.

Anúncios